domingo, 7 de outubro de 2012

Inquietude


Os olhos, sempre os olhos
A matéria do poeta
A alma do talvez
As entranhas do possível
Do plausível, alcançável...
Ou não.

Podemos? Devemos? Esqueceremos?
Talvez, poeta possível
Impossível, alma plausível
Alcançável, entranhas dos olhos
Sim, somente sim.

Lutando pra se entregar
Lutando mais pra resistir
Existirá resistência entregue à luta
Ou a entrega do lutador?

O que não é meu? Coloco entre aspas.
Só que eu não tenho nada!
E "você"?


Poesia achada e perdida, escrita neste outubro de 2012.

8 comentários:

  1. Fantástico, Bruna! Acho poemas tão difíceis... Talvez porque sejam mais sentimentais, mais do coração e menos da cabeça. Mas você os faz brilhantemente. Parabéns :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois eu concordo muito com você! Poesia É coração. Apesar de tudo aquilo que dizem de que pra escrever bem é só praticar, não acredito que uma poesia-prosa ou prosa-poesia tenha o mesmo valor quando o coração não está todo lá. E aqui, meu amigo, está todo o meu coração.

      Excluir
  2. FANTÁSTICO! Você sempre me surpreende positivamente. Seja com textos ou com poesias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada pela leitura de sempre, Deza! Fico muito feliz que tenha gostado!

      Excluir
  3. Palavras subjetivas, mas intensas. Você tem muito talento.

    ResponderExcluir
  4. 'Podemos?'
    Sim!
    'Devemos?'
    Com certeza
    'Esqueceremos?'
    Jamais!

    Como sempre, excelente, muito bom, muito bem organizado haha

    ResponderExcluir

Caixa de sentimentos. Expresse-se.